mardi, juillet 26, 2005

...muitas saudades de ti!

“Odeio quando fazes essa cara!” disse-lhe eu enquanto bebericava o a minha agua pouco fresca. Ele pegou no pequeno moleskine que eu acabara de lhe oferecer…encostou-se ao meu ouvido e prometeu, pela centésima milésima vez que iria rechear aquele pequeno caderninho de histórias, imagens e esquiços de tudo o que visse e experimentasse no Brasil durante um ano de ausência.
Eu sorri, olhei o mar azulão e bonitão, abracei-o deixando que o cheiro do meu protector solar se misturasse com as gotículas de suor que lhe cresciam sobre as costas e murmurei “Brasil, um ano…privilégios de meninos bem!” “Não sejas tola, se quisesses vinhas comigo” “Durante um ano? Estas doido! E deixava a minha vida em standby? Não me parece…tenho muito trabalho e gosto! Alem disso o Brasil não me atrai!” “Claro, tu é mais Nova Iorque!” “No Inverno…”


|

samedi, juillet 23, 2005

H&M aposta no marketing e mais uma vez chama á sua colaboração um nome sonante do design internacional. Desta vez Stella McCartey substitui Karl Lagerfeld na produção de (aproximadamente) quarenta peças para a banal distribuição nas lojas da dita marca e veremos…se pelo menos o seu estilo não se concentra no básico preto-branco em tecido de segunda e acabamentos de terceira! Esperamos melhor!

Para as interessadas (a colecção é exclusivamente feminina). A sua apresentação terá lugar dia 10 de Outubro.


Stella McCartney

|

vendredi, juillet 22, 2005

Apostas? Só hoje!

Nunca joguei na vida! Ou pelo menos nunca tinha jogado…até hoje!

Entrei na casa da sorte ainda não eram dez da manha. Por essa hora já se notava um movimento nervoso e constante por parte de várias pessoas, na sua maioria idosas, que pegavam em molhos de folhinhas de apostas e várias notas azuis para registar a sorte no balcão, onde rapazes jovens e frenéticos, tentavam aviar toda a gente o mais rápido possível.
Quando chegou a minha vez, inclinei-me sobre o balcão, apresentei o meu papel recheado de cruzinhas pretas e esperei que o moço simpático me pedisse um nome, um cartão, qualquer coisa que “registasse” seguramente aquela folha como sendo minha. Mas em vez disso, nada, o referido moço limitou-se a estender-me um papel… “Olhe desculpe, é a primeira vez que eu faço isto, por acaso não preciso de deixar o nome, a morada?” “Não!” “Então se eu ficar milionária só tenho de lhe dar este papelito com este código de barras e…o senhor dá-me não sei quantos milhões de euros para os braços?” “Sim, é mais ou menos isso!” e com sorrisos nos despedimos...
|

mardi, juillet 19, 2005

Espelho Meu

O ccb ergueu-se na minha frente com as suas toneladas de betão e prometeu-me um belo refúgio ao sol abrasivo, que me queimara a pele e o discernimento durante a corajosa caminhada ribeirinha.
Comprei uma agua fresquinha na belíssima loja de chocolates que enfeita o canto direito do hall, entrei na Bertrand sem prestar atenção aos títulos nos livros coloridos e avancei confiante até á casa de banho…onde puxei o tampo da sanita para baixo e onde sentei o rabiosque, naquele que era o meu primeiro momento de paz desde as sete de manha…e já eram quatro da tarde! “Mereço isto, mereço mesmo! Só me meto em confusões!”.
Ao fim de dez minutos (ou mais) recuperei os sentidos e resolvi sair dali, antes que alguém me expulsasse, ou pior, antes que o Tex entrasse por ali adentro para me ir buscar. Mais um acto violento para o corpo não! A caminhada desde o Chiado até Belém já foi pesada o suficiente.

Agora falemos do que interessa, porque de introdução já chega.
A exposição erguia-se em seis ou sete divisões, cada divisão representava um artista ou um conjunto de artistas, cada apresentação diferia na qualidade de imagem, na data em que fora captada e até na impressão fotográfica; toda uma panóplia de imagens e sentidos á volta do tema genérico: Portugal e a visão dos vários fotógrafos da Magnum sobre este.
Despertou-me a atenção toda a obra e toda a composição expositiva das imagens de Miguel Rio Branco. As cores, o pormenor, a textura e a sensação que me deixou na pele são alguns substantivos que vou associar ao momento mais artístico e mais belo da mostra. Perfeito!
Susan Meiselas pareceu-me ser o grande destaque da exposição, mas contrariamente ao que esperei, não morri de amores pelo seu trabalho na cova da moura…Reconheço-lhe a coragem, o génio e até a boa fotografia, mas as imagens demasiado cruas, desprovidas de imaginação, inovação ou arte deixaram-me deveras desiludida. Alem disso já tinha lido uma reportagem sobre o projecto algures nas páginas da Actual, e na altura também não tinha ficado muito convencida.
Prefiro referir uma beldade que encontrei no último paredão da sala, uma imagem captada por Henri Cartier-Bresson á confissão de uma mulher, toda ela em vestes negras, sobre um pequeno confessionário, junto a um padre gordo e atento! Uma belíssima composição, um belíssimo momento e uma perfeição tal que por momentos vi-me conspirar contra o mítico fotógrafo e julgar aquele retrato como um momento estudado e previstos, longe da fotografia ocasional do fotojornalismo…
Ai meu Deus! Mas quem sou eu para conspirar contra o fabuloso Bresson!


Miguel Rio Branco

|

jeudi, juin 23, 2005

You Belong in Paris

Stylish and a little sassy, you were meant for Paris.
The art, the fashion, the wine, the men!
Whether you're enjoying the cafe life or a beautiful park...
You'll love living in the most chic place on earth

|

E agora o motivo desta ausência de dois meses!

Culpem o António que me tem dado trabalho atrás de trabalho, projectos atrás de projectos e muitas folhas para organizar! Já não há paciência…nem motivação, nem amor á profissão, nem nada…Este calor começa a entorpecer-me qualquer tipo de criatividade emergente, os suspiros com a palavra “ferias” repetem-se e o escritório começa a ganhar contornos de spa caliente perdido algures nas ilhas virgens do pacifico distante.
Diego Uchitel
|
Magoei o tornozelo enquanto tentava cruzar a perna num exercício mais arrojado de yoga. Foi uma coisinha aborrecida, já que tiveram de me colocar gelo, recomendar-me uma ida rápida ao Santa Maria e quiçá um dia ou dois de baixa…
Agora estou para aqui deitada no sofá da sala, tentando não desesperar com o maldito do calor e voltando a umas horinhas de ócio nesta bendita blogoesfera. Que saudades meus amores, que saudades!
|

mardi, mai 03, 2005

Enxaqueca!

Enxaqueca! Enxaqueca! Maldita enxaqueca que me entorpece os sentidos e me deixa neste estado nervoso…Oh meus blogueiros favoritos, eu não queria escrever sobre isto, juro que não tinha qualquer intenção…mas esta a dor é tão forte que não tenho apenas como tópico de escrita as magias que já tentei fazer para a acalmar. Já estive deitada, já fui arejar, já estive sentada no chão da casa de banho a tentar perceber se necessitava do contacto com os azulejos para arrefecer a balbúrdia que vai aqui por dentro, já tomei um chá, já coloquei uma rodela de batata em cada vista…eu sei lá que já fiz eu durante todo o dia! Ah! Eu vou masé dar voltinha…
|

vendredi, avril 29, 2005

Acordo de manhã, com a leve sensação de desconforto numa cabeça que lateja após a luta pelas poucas horas de sonho em que consegui cerrar os olhos, e abro o telemóvel impaciente no seu toque irritante. Do outro lado, a voz acriançada da minha afilhada lembra-me que hoje é dia mundial da dança “e vai haver aqui na escola uma festa, tu vens não vens?”, “pois claro que vou amor, agora passa o telefone à mãe”. A mãe estava óptima, para alem de babadíssima na sua condição de progenitora do rebento com o papel principal no musical da escolinha, ainda tinha paleio para duas horas sobre o segundo e desejado filho que deve “aparecer” em finais de Setembro.

Claro que este último aspecto referido poderia dar-me pano para mangas na discussão do tópico aborto, no entanto, por ainda me doer a cabeça, não me apetece alongar sobre um tema que para mim tem tudo de simplicidade.

Portanto ouviram-me! Hoje é dia mundial da dança, eu estarei a comemorar o evento na companhia da Maria Inês…e espero prolongar a festa noite adentro com outras Marias!
|